Lagamar – Floresta Atlântica costeira/Serra do Mar

Inserido no maior remanescente contínuo de Floresta Atlântica do Brasil, o Lagamar faz parte da Bacia Hidrográfica do Rio Ribeira de Iguape, tendo como componentes os Complexos Estuarinos de Iguape e Cananéia (SP) e o Complexo Estuarino de Paranaguá (PR). A região se destaca pelas belas paisagens naturais terrestres e marinho-costeiras, incluindo montanhas, estuários, ilhas e praias com florestas de planície e encosta, restingas, dunas e manguezais, abrigando assim, muitas espécies da fauna e flora. Não só de riquezas naturais é composto o Lagamar, nesta região ainda vivem populações caiçaras que mantém viva sua cultura local e conhecimentos tradicionais secular como o fandango e a pesca artesanal com cerco-fixo.

Considerada como de prioridade “extremamente alta” para medidas de conservação a região do Lagamar inclui um dos cinco estuários menos degradados e mais produtivos do mundo, além de fazer parte da “Reserva da Biosfera da Floresta Atlântica” decretada pela UNESCO. A região compreende várias unidades de conservação nacionais e estaduais como o Parque Nacional do Superagui, Parque Estadual Ilha do Cardoso, Parque Estadual do Lagamar, Estação Ecológica dos Tupiniquins, Área de Proteção Ambiental Cananéia-Iguape-Peruíbe, Área de Proteção Ambiental Guaraqueçaba, entre outras. Mesmo assim, não está livre de ameaças. A crescente urbanização junto à especulação mobiliária, o aumento desordenado do turismo, as atividades extrativistas insustentáveis com a conservação, a presença de caça e de animais domésticos dentro e fora das Unidades de Conservação são fatores de ameaça iminentes que se não forem bem resolvidas e geridas, podem comprometer a sua rica biodiversidade.

O Instituto de Pesquisas Cananéia – IPeC atua em diversas frentes de ação visando à preservação ambiental e cultural da região do Lagamar desde 1997, ano de sua fundação. Com o apoio e parceria de instituições governamentais e não governamentais, o IPeC contribui com a conservação desta importante região através do desenvolvimento de vários projetos científicos e educacionais, realizando ações de incentivo a identidade cultural caiçara e participando de conselhos consultivos de unidades de conservação federais e estaduais.